TRATAMENTO DA DTM

Os objetivos do tratamento da DTM são o controle da dor, a reabilitação dos movimentos da mandíbula e o retorno às atividades diárias normais.

Por muitas décadas, as mudanças oclusais (ortodontia, ajuste oclusal, ortopedia facial, próteses, cirurgia ortognática), foram tidas como sendo a melhor e mais rápida maneira de tratar a DTM. Hoje, essa modalidade perdeu sua grande força, já que diversos estudos nos mostram as condições oclusais, representando uma quantidade ínfima de causa para as DTM. E esses tratamentos, além de apresentarem custos elevados, são frequentemente irreversíveis.

Muitos estudos foram necessários para a segurança e efetividade dos tratamentos das disfunções das articulações temporomandibulares e dos músculos mastigatórios, para indicar fortemente o uso dos mais conservadores e reversíveis tratamentos possíveis. Os tratamentos conservadores não devem invadir os tecidos da face, mandíbula, ou articulação, ou envolver cirurgias. Tratamentos reversíveis não causam mudanças permanentes na posição dos maxilares ou dos dentes.

Como em muitas disfunções musculares, articulares ou sua associação , os sintomas e sinais da DTM são, na maioria das vezes, temporários e limitantes. Por isto, deve-se sempre evitar inicialmente tratamentos agressivos e irrevesíveis, como cirurgias ou tratamentos dentários extensos.

Instrução ao paciente sobre seu problema, técnicas simples de modificação comportamental, exercícios mandibulares, emprego de modalidades fisioterápicas diversas, medicações, uso de aparelho intraoral, injeções intra-articulares, ou intra musculares, são comprovadamente seguras e efetivas na maioria dos casos de DTM.

Muitos pacientes que sofrem de DTM alcançam um bom alívio a longo prazo com tratamentos reversíveis e conservadores oferecidos pelo cirurgião-dentista especialista em DTM e DOF.

Tratamentos simples é tudo que é usualmente necessário para alívio dos desconfortos, como práticas de auto cuidados (autoajuda), como os passos para alívio destes sintomas:

  • comer alimentos leves, evitando os alimentos duros e porções grandes;
  • aplicar compressas quentes ou frias (crioterapia);
  • evitar movimentos extremos tais como bocejos extremos, cantar alto, e mascar chicletes;
  • aprender técnicas de relaxamento e redução do estresse;
  • prática de exercícios de alongamento e relaxamento que podem aumentar a extensão dos movimentos, recomendados pelo especialista ou fisioterapeuta para sua especial condição.

Ao se estabelecer um plano de tratamento, é necessário sempre ter em mente, que:

1 - muitas vezes a etiologia não está clara;

2 - a dor relatada pelo paciente pode não estar ligada à região que ela se apresenta;

3 - nas DTM musculares, a sobrecarga muscular mostra-se com papel relevante; e

4 - os sintomas flutuam com o tempo.

O entendimento disto remete para condições onde o tratamento deve ser minimamente invasivo, tendo em vista a dificuldade de localizar o principal fator etiológico.

Diferentes e conflitantes modalidades terapêuticas se apresentam como:

A ACUPUNTURA tem todo reconhecimento da medicina milenar oriental, mas, ainda permanece de maneira obscura, a sua real atuação no tratamento das DTM.

A TOXINA BOTULÍNICA (Botox) tem a finalidade de paralisar temporariamente a musculatura onde é aplicada, entretanto, nos músculos da mastigação, esse procedimento para controlar a dor tem se mostrado ineficaz.

A TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL cada vez mais é vista como importante meio de controle da dor nas DTM, já que grande parte dessas condições dolorosas são originadas do apertamento dentário diurno, onde o indivíduo não tem consciência de que não é correto manter os dentes em contato durante o dia. Isso apenas deveria acontecer durante a mastigação. E essa modalidade terapêutica auxilia na percepção dos movimentos que fazemos de maneira inconsciente.

Nos EXERCÍCIOS TERAPÊUTICOS o princípio usado é o da cinesioterapia, que significa tratamento por meio de exercícios físicos. Essa modalidade tem, nos últimos anos, obtido importante papel no controle das DTM.

TRATAMENTOS MEDICAMENTOSOS e suas diversas modalidades já foram descritos, e estas modalidades de tratamento vão desde o uso de medicações ansiolíticas, antidepressivos, analgésicos, antiinflamatórios, relaxantes musculares, e combinações entre as diferentes classes farmacológicas.

Atualmente, essa forma de tratamento é muito discutida, visto que os efeitos colaterais e as reações adversas, geralmente superam os ganhos obtidos com seu uso, por se tratar apenas de uma terapia sintomática, podendo fazer com que o uso da medicação seja prolongado, aumentando ainda mais os riscos para o paciente.

Para muitas pessoas com desordens temporomandibulares, o uso de medicamentos analgésicos a curto prazo ou drogas anti-inflamatórias não esteroidais (AINES), podem prover alívio temporário dos desconfortos, além de relaxantes musculares, antidepressivos, para amenizar os sintomas.

A HIPNOSE busca tratar as DTM da mesma maneira como alguns autores afirmam tratar condições de dor crônica, quebrando a "memória da dor".

O LASER de baixa potência também tem sido mencionado no tratamento de DTM, mas seus efeitos são basicamente antiinflamatórios, portanto não trata das prováveis causas, mas apenas de um efeito delas.

Na TERAPIA PSICOLÓGICA os pacientes começam a entender e pensar a dor de maneira diferente, tentando afastar todos os ganhos secundários que ela propicia (fato que por muitas vezes nos dificulta o controle das DTM), tendo com isso a qualidade de vida melhorada, mas também, nesse caso, a provável causa da dor não foi tratada.

A TENS se mostra, quando bem explorada, como uma importante ferramenta acessória no tratamento das DTM.

A TERMOTERAPIA (uso de calor) e a CRIOTERAPIA (uso do frio) são condições importantes para o controle das DTM, pelas alterações vasculares, antiinflamatórias, que propiciam grande melhora, de maneira praticamente sem custos e com efeitos colaterais quase nulos.

Para a eliminação de trigger point, diversas terapias tem sido descritas, mas atualmente, o "AGULHAMENTO SECO" mostra-se como a melhor relação custo--benefício.

Outra modalidade terapêutica, amplamente discutida para as DTM são as PLACAS INTEROCLUSAIS que podem ser de acrílico, de silicone, de acetato, com recobrimento total, parcial, só nos dentes anteriores, e em recobrimento algum...como descrito acima, o uso de dispositivo oclusal, tem uma infinidade de variações...

APARELHO INTRA-ORAL PARA O TRATAMENTO DA DTM

O aparelho intra-oral usado no tratamento da DTM é conhecido como “placa de mordida” ou “placa miorrelaxante”, mas corretamente chamada de “placa estabilizadora”. Este aparelho é geralmente usado para separar os dentes superiores dos inferiores, ajudar a manter os músculos da mastigação relaxados e, por vezes, estabilizar as ATM temporariamente em determinada posição.

Existem formatos e ajustes diferentes dos aparelhos intraorais para o tratamento da DTM que devem ser selecionados para cada paciente individualmente, dependendo do diagnóstico e de como este problema irá se modificar durante o tratamento.

TRATAMENTOS IRREVERSÍVEIS

Estes tratamentos não têm provado ser efetivos e podem tornar os problemas mais severos, incluindo os tratamentos ortodônticos, reabilitações orais para a estabilização da mordida, desgastes ou ajustes oclusais, assim como, aparelhos reposicionadores (ortopédicos), os quais alteram permanentemente a oclusão.

Portanto, pode-se concluir que, atualmente, a melhor opção no controle das DTM, é a conservadora, dada a dificuldade em se estabelecer um tratamento causal, onde o risco em se cometer sobretratamentos e iatrogenias aumenta à medida que procedimentos irreversíveis são adotados.